terça-feira, 27 de outubro de 2009

Arqueira como a mãe (Fanfic - Parte 2)

- Mamãe! Mamãe! Socorro!

Os gritos da pequenina ecoavam pelas ruas de Prontera. A menina corria desesperada rumo a sua casa, seguida por um nervoso Rosa Selvagem. Ela gritava:

- Mamãe, socorro! Esse Rosa Selvagem quer me matar!

A mãe ouvindo os distantes e desesperados gritos da filha, gritou: "Caminho do Vento" e saiu correndo, de arco na mão, ao socorro da filha. Assim que avistou-a posicionou seu arco, equipou uma flecha e puxando a corda do arco com toda sua força gritou:

- Rajada de Flechas!

Assim que ela acabou de dizer essas palavras, iniciou-se uma luz banca e uma flecha a toda velocidade saiu do arco daquela bela Atiradora de Elite e foi parar bem no coração do Rosa Selvagem, que caiu desacordado no chão.

A pequenina foi correndo para os braços de sua mãe e abraçando-a disse:

- Obrigada mamãe! Eu estava andando pela cidade e sem querer pisei no rabo daquele Rosa Selvagem, que ficou furioso e saiu correndo atrás de mim.

- Calma minha filha, agora já está tudo bem!

A bela mulher pegou sua filha no colo e levo-a para dentro de sua casa. Chegando lá, colocou-a no sofá da sala, foi para a cozinha, abriu o armário e pegou um vidrinho de Poção Laranja e o entregou a filha.

- Toma querida, isso vai te fazer sentir melhor.

Um pequeno gole e a menininha já se sentia pronta para outra, não que ela quisesse passar por isso de novo.

- Mamãe, quando eu crescer, quero ser como você. Forte, bondosa, linda e quero também poder usar um arco como o da senhora.

A mãe sorriu com a declaração da filha e disse:

- Meu arco não é bom minha filha, se você quiser, conseguirá um muito melhor que este, você será muito mais forte e mais bonita do que eu. Mas falando nisso você já pensou em qual profissão irá exercer quando começar seu treinamento?

- Eu quero poder usar um arco, como você.

Então a mãe lhe contou sobre todas as profissões, as habilidades, as promoções, os testes. E a pequena se decidiu, queria ser Arqueira, como um dia sua mãe foi. Mas ainda estava em dúvida sobre qual promoção focaria, se queria ser promovida a Caçadora ou a Odalisca.

Ficava maravilhada com as armadilhas que a mãe preparava e com suas habilidades com o arco. Mas gostava também das histórias das Odaliscas e Ciganas que sua mãe contava, sobre suas danças poderosas e suas habilidades com as cartas de tarô.

Mas ela tinha uma certeza, seria uma Arqueira. Poderia usar arcos, atirar de uma longa distância e fabricar flechas, isso a fascinava.

E essa certeza persistiu por muito tempo, até hoje, até agora que comecei meu treinamento e estou diante do funcionário encaragado dos testes para futuros Arqueiros e me lembro daquele dia com minha mãe, quando ela me contou tudo sobre os Arqueiros.

Falo com o senhor, entrego-lhe os troncos que consegui, ele fica satisfeito, me promove a Arqueira e me dá meu primeiro arco.

Saio da Guilda dos Arqueiros vou ao encontro da Kafra de Payon, peço à ela que me teleporte para Prontera. E agora, aqui estou, de volta a Prontera, minha cidade natal!

2 comentários:

Pammella disse...

Oi. Bom, ainda não li seu fanfic. Vou ler a primeira parte primeiro pra entender tudo. Só comentei pra falar que to te seguindo, ok? Beijos.

Pammella disse...

Ah, que bacana! Gostei desse fic. Bem mágico! Beijos. Te sigo!!